Glossário de Fitoterapia

8 set

Fitoterapia: terapêutica caracterizada pelo uso de plantas medicinais em suas diferentes formas farmacêuticas, sem a utilização de substâncias ativas isoladas, ainda que de origem vegetal.

Fitoterápico: é o produto obtido empregando-se exclusivamente derivados de drogas vegetais, caracterizado pelo conhecimento da eficácia e dos riscos de seu uso, assim como pela reprodutibilidade e constância de sua qualidade.

Plantas Medicinais: todo e qualquer vegetal que possui, em um ou mais órgãos, substâncias que podem ser utilizadas com fins terapêuticos ou que sejam precursores de fármacos semi-sintéticos.

Matéria prima vegetal: planta medicinal fresca, droga vegetal ou derivados de droga vegetal.

Droga vegetal: planta medicinal ou suas partes, após processos de coleta, estabilização e secagem, podendo ser íntegra, rasurada, triturada ou pulverizada.

Derivado de droga vegetal: produtos de extração da matéria prima vegetal: extrato, tintura, óleo, cera, exsudato, suco, e outros.

Princípio ativo de medicamento fitoterápico: substância, ou classes químicas (ex: alcalóides, flavonóides, ácidos graxos, etc.), quimicamente caracterizada, cuja ação farmacológica é conhecida e responsável, total ou parcialmente, pelos efeitos terapêuticos do medicamento fitoterápico.

Fitocosmético: nome dado aos cosméticos que contém, em sua composição, matérias-primas vegetais com a finalidade de embelezamento.

Chá: denominação popular para infusos e decoctos para administração por via oral.

Infuso: preparação extrativa que resulta do contato da planta com água fervente. Indicado para folhas e flores.

Decocto: preparação extrativa onde os princípios ativos são extraídos com água até a ebulição. Mais indicado para raízes, cascas e rizomas.

Macerado: Preparação extrativa realizada a frio, que consiste em colocar a parte da planta dentro de um recipiente contendo água, álcool ou óleo. Ao fim do tempo previsto, filtra-se o líquido.

Pó: planta cortada e depois moída. Os pós devem ser empregados na obtenção de extratos ou algumas vezes podem ser usados como tal.

Extratos: São preparações líquidas, sólidas ou semi-sólidas obtidas pela extração de drogas vegetais frescas ou secas, por meio líquido, extrator adequado, seguida de uma evaporação total ou parcial e ajuste do concentrado a padrão previamente estabelecido.

Extrato seco: são extratos na qual é retirado todo o conteúdo líquido de sua composição através de processos de secagem. Os extratos secos devem conter, em seu rótulo, a concentração de seu principal ativo (marcador). São utilizados no preparo de cápsulas e comprimidos.

Extrato fluido: são preparações líquidas, extraídas através de soluções hidroalcóolicas, no entanto, diferem das tinturas na concentração de ativos. Cada 1mL do extrato deve conter os constituintes ativos correspondentes a 1g da droga seca. São, portanto, preparações mais concentradas e devem ser utilizadas com cuidado.

Tintura: extração hidroalcóolica, onde se utiliza sempre a planta seca na proporção de 20% (1:5).

Alcoolatura: extração hidroalcóolica, onde se utiliza sempre a planta fresca na proporção de 50% (1:2)

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.